quarta-feira, 22 de novembro de 2017

Sírios vêem a verdadeira face de Israel

Mulher-soldado do IDF dá comida a uma criança síria. As mães sírias recorrem a Israel.

Primeiras filmagens de sírios que atravessam a fronteira israelita para atendimento médico
Pela primeira vez, o IDF (Forças de Defesa de Israel) permitiu que os jornalistas filmassem os sírios que cruzam a fronteira a caminho do tratamento médico num hospital do norte de Israel. Uma transmissão sem precedentes difundida na televisão israelita revelou domingo as mulheres e crianças sírias que entram em Israel para tratamento médico com a ajuda das Forças de Defesa de Israel, em mais uma demonstração de ajuda humanitária do Estado judeu ao seu vizinho destruído pela guerra.
O escopo da missão "Operação Bom Vizinho" do IDF foi revelado pela primeira vez em Julho. A operação foi iniciada há vários anos como uma medida ad hoc para tratar os sírios que vinham à fronteira pedindo a ajuda de Israel.


O esforço desenvolvido para um programa de ajuda foi expandido em Junho de 2016, à medida que as necessidades humanitárias continuavam a crescer. "O nosso objectivo é fornecer segurança e criar relações de boa vizinhança para pessoas de ambos os lados da fronteira", disse o tenente-coronel E. (nome completo retido por motivos de segurança), o comandante da Operação Bom Vizinho, à JNS.org. "Continuaremos a fazê-lo da melhor e mais eficiente maneira possível".

 


De acordo com o IDF, a operação forneceu tratamento médico a mais de 4.000 sírios, incluindo centenas de crianças. Os militares transferiram mais de 119 mil litros de combustível para aquecimento e cozinha, além de 40 toneladas de farinha, 225 toneladas de alimentos, 12 mil pacotes de alimento para bebés, 1.800 pacotes de fraldas, 12 toneladas de sapatos e 55 toneladas de roupas para o frio.

Além disso, as Forças de Defesa de Israel estão a facilitar a construção de duas clínicas dentro da Síria, que serão administradas por residentes locais e ONG's para apoiar cerca de 80 mil sírios que vivem perto da fronteira de Israel na região das Colinas de Golan.

NOTA: O VÍDEO FOI RETIRADO DO YOUTUBE. Pode ver aqui a transmissão de TV original (em Hebraico): http://reshet.tv/item/news/politics/security/newsitem-676332/

Um olhar sobre o hospital de campanha nas Colinas de Golan que trata vítimas da guerra na Síria:

 

Mas há muitos vídeos como estes, basta procurar:

 
Outra clínica está a ser construída num posto avançado do IDF no lado israelita da fronteira.
Assaf Orion, um pesquisador do Instituto de Estudos de Segurança Nacional de Israel, explicou que, desde o início da Guerra Civil Síria, Israel tem sido "sábio para evitar ser atraído para o pântano, mantendo a sua política focada na salvaguarda de linhas vermelhas bem definidas" em questões como ataques transfronteiriços e transferências de armas para organizações terroristas como o Hezbollah.
No entanto, quando o regime do presidente da Síria, Bashar al-Assad, "atacou a população síria, sitiou suas cidades, e ns privou de água, electricidade e serviços médicos, Israel escolheu chegar às comunidades nas suas fronteiras", afirmou.
A abordagem humanitária muda as percepções de Israel
"Esta abordagem humanitária, sendo moralmente correcta pela sua própria virtude, tem outros e efeitos reais, tanto na mudança de percepções de Israel entre os seus vizinhos mais próximos da Síria, como pelo facto de que nenhum ataque contra Israel veio das áreas ocupadas por essas comunidades, ao contrário dos sectores de regime", disse à JNS.org Orion, ex-chefe da Divisão Estratégica na Direcção de Planeamento da Equipa Geral das Forças de Defesa de Israel.
O segmento de reportagem de domingo destacou a operação do IDF exibida no Hadashot News de Israel e incluiu entrevistas com mulheres sírias que expressaram profunda gratidão a Israel pela sua assistência humanitária no meio da Guerra Civil Síria que continua.
De acordo com a reportagem do Hadashot, 21 mães sírias e 23 crianças cruzaram Israel buscando tratamento médico durante a noite em que o segmento foi filmado.

Há muito que os médicos israelitas tratam discretamente as vítimas da guerra na Síria:

 
"Tornou-se comum" para os civis sírios procurarem tratamento médico de Israel, disse uma mãe síria ao repórter da rede de Televisão. "Toda a gente quer vir aqui. Adultos também, não apenas as crianças".
"Isto deve ser muito estranho para eles", disse o oficial do IDF Gil Giladi na transmissão. "Eles estão a lidar com 'o inimigo'".


Grupo de sírios aproxima-se da fronteira, de noite.


Soldado israelita abre os portões.


Os feridos e os doentes são transportados para o hospital.


Criança síria convalescente resolve pintar uma bandeira de Israel.

Imagens Times of Israel.


Conan O'Brien visita hospital na fronteira com a Síria:


Veja 'playlist' com as aventuras de Conan em Israel, que é bem divertida.

Outra mãe síria declarou: "Israel era visto como o inimigo ... Agora que vocês estão a ajudar-nos, a maioria [dos sírios das Colinas de Golan] está com vocês. Eles adoram Israel. Eles vêem o vosso verdadeiro rosto ... vêem a realidade".
Quando o repórter do canal Hadashot pediu esclarecimentos sobre a quem os sírios vêem como inimigos, uma mulher síria disse: "Todos eles: Estado islâmico, Hezbollah, Bashar [Assad]. Eles são todos iguais." 
Os sírios que foram entrevistados permaneceram anónimos devido a temores de represálias por buscarem ajuda do Estado judeu.
"Eles executam pessoas ao lado da mesquita", disse uma mulher síria de uma província controlada pelo grupo terrorista do Estado Islâmico. 
"Eu gostaria que pudéssemos ficar aqui para sempre", disse outra.
Israel e Síria não têm relações diplomáticas. Embora os países mantenham um frágil acordo de tréguas estabelecido em 1974, eles permanecem essencialmente em Estado de guerra, com trocas de fogo transfronteiras cada vez mais frequentes nos últimos anos.
A última revelação da ajuda médica israelita a civis sírios veio no meio de uma maior tensão ao longo da fronteira norte de Israel com a Síria. No sábado passado, um tanque do IDF disparou um "tiro de advertência" ao longo da fronteira, em resposta aos militares sírios que construíram um posto avançado na zona desmilitarizada das Colinas de Golan, em violação directa da proibição acordada na trégua de 1974 sobre ferramentas de construção pesada ou veículos militares naquele área.
Por: JNS.org e World Israel News

............................................

COMENTÁRIO 


Uma das primeiras famílias sírias a ser tratada em Israel ficou em choque porque afinal Israel não era o mauzão, como lhes diziam desde o berço.

Os odiadores odiarão sempre, e até classificam a ajuda humanitária que Israel presta aos sírios como "desestabilização". Portanto: Israel salva a vida as crianças sírias, logo, está a desestabilizar a impecável harmonia que se vive no país! 

Os odiadores odiarão sempre, e até classificam a ajuda humanitária que Israel presta aos sírios como "propaganda". Se Israel não abrisse as fronteiras a estas pessoas, os mesmos odiadores diriam que o monstruoso Israel deixava morrer as pessoas sem lhes valer. Além disso, notícias como estas não passam nas televisões do Mundo, para quem demonizar Israel é um dado adquirido. 

Os odiadores odiarão sempre, e até classificam a ajuda humanitária que Israel presta aos sírios como "os judeus a armarem-se em bonzinhos". De facto, aqueles malandros, que tratam até os terroristas islâmicos de Gaza e da Judeia e Samaria, que mais tarde costumam regressar para fazer explodir o hospital, gostam mesmo de se armar em bonzinhos. Quem é mesmo do melhor são os 56 Estados islâmicos, que não mexem uma palha para ajudar os seus irmãos de fé, fustigados pelas eternas guerras entre muçulmanos. 
Como disse alguém, é preciso não saber de todo viver para sustentar tais "opiniões". Israel é o único pais do Mundo que está a ajudar os feridos na guerra da Síria, ainda que tal lhe custe mais dissabores que proveito.
Os israelitas não são melhores que os outros seres humanos, absolutamente. Mas também não são piores. E é esse precisamente o nosso ponto.
Convidamo-lo a ler estes posts, amplamente ilustrados: 

Israel trata sírios feridos na guerra

Israelitas em missões secretas na Síria para salvar vidas

A situação na Síria e a ajuda de Israel

 


Os refugiados sírios têm que procurar refúgio a milhares de quilómetros, em países infiéis.


Quando os desastres atingem o Mundo, Israel é o primeiro a chegar:


O Estado judaico vê-se como um parceiro activo no melhoramento do Mundo. Pode discordar-se deles, é claro, mas não vemos como se possa censurá-los por isso.

POST-SCRIPTUM: Soube-se hoje que Israel  tem tratado vítimas de ataques químicos na Síria, cometidos pelo regime e pelo movimento terrorista seu aliado, o Hezbollah (que alguns ocidentais idolatram, porque acham "romântico"). Pode ler o artigo e ver o vídeo na edição online do The Jerusalem Post.


terça-feira, 21 de novembro de 2017

Morrissey - Amigo de Israel


Morrissey lança nova canção pró-Israel, verberando os perseguidores do Estado judeu
"E os que fazem chover calúnias sobre ti - também têm ciúmes de ti", diz o lendário cantor Morrissey daqueles que odeiam Israel.
O cantor britânico Steven Patrick Morrissey, um defensor assumido do Estado judeu, lançou uma nova canção pró-Israel, na qual diz que aqueles que lutam contra Israel fazem-no porque sentem "ciúmes" do país.
Numa notícia da semana passada, o The Jewish Chronicle disse que as novas letras de Morrissey, na música intitulada "Israel", acusam os inimigos de Israel de quererem lançar as suas próprias "trevas" sobre o Estado judeu.
A balada pró-Sionista de seis minutos de duração é a última faixa no novo álbum Morrissey, Low In High School, que foi lançado este fim de semana.
O cantor, que actua regularmente em Tel Aviv, canta: "Eles acusam e difamam / Apenas porque não és como eles - Israel, Israel".
Referindo-se aos detractores de Israel, Morrissey diz: "Eles perseguem-te porque têm  ciúmes".

 

O novo disco de Morrissey toca outros temas judaicos, relatou o Chronicle.
Numa música chamada "A menina de Tel Aviv, que não se ajoelha", Morrissey presta homenagem a Etty Hillesum, que foi assassinada em Auschwitz em 1943.
A postura pró-israelita de Morrissey abrange mais de uma década. Ele até apareceu no palco em Tel Aviv, coberto por uma bandeira israelita.


Em 2008, Morrissey ignorou os apelos do movimento anti-Israel BDS (Boicote, Desinvestimento e Sanção) para cancelar um espectáculo em Israel e, em vez disso, encerrou-o dizendo: "Deus abençoe Israel".
Ele também tem a palavra "Israel" tatuada no antebraço, em Hebraico.
Em 2012, Morrissey recebeu a chave da cidade de Tel Aviv das mãos do seu presidente Ron Huldai.
"Eu tornei-me um rosto de Tel Aviv. Ficarei muito feliz em representá-la com integridade e lealdade", disse Morrissey.
Morrissey é uma voz pró-Israel única na cena musical britânica, já que muitos artistas britânicos são violentamente anti-Israel, o mais proeminente dos quais é Roger Waters, que foi acusado de abraçar ideias anti-semitas.
Por: United with Israel 

https://unitedwithisrael.org/es/


----------------------------



Waters, a nova face do anti-semitismo.

Waters, Porcos Voadores e Lagartos Espaciais

Roger Waters, o Porco Rastejante


Porque é que Roger Waters odeia tanto Israel?


Um filme explosivo de um cineasta premiado que documenta o ressurgimento surpreendente do anti-semitismo na Europa pergunta porque é que Roger Waters está "tão incomodado com Israel".  

Ian Halperin, cineasta premiado, autor de best-sellers, colaborador do New York Times e filho de um sobrevivente do Holocausto, criou um documentário explosivo que mostra o aumento chocante do anti-sionismo - ou seja, do anti-semitismo - na Europa, com foco no famoso músico britânico Roger Waters, que fez parte dos Pink Floyd, líder destacado da campanha anti-Israel Boycott, Divestment and Sanctions (BDS). 

O que motiva Waters a lutar tanto contra o Estado judeu? Vários indivíduos proeminentes neste documentário dizem que é simplesmente anti-semitismo.

Você obterá algumas respostas neste vídeo, juntamente com algumas estatísticas assustadoras.
United With Israel



COMENTÁRIO:
"Um Vestido Novo Para Um Ódio Antigo" - Pilar Rahola
Porque é que a Esquerda (incluindo os nazis) odeia Israel
PROJECÇÃO ISLÂMICA: Porque é que os muçulmanos odeiam infiéis
Que mal fizeram os judeus à Humanidade?
História de Israel - Porque é que não há paz?
A ESQUERDA ODEIA ISRAEL PORQUE ISRAEL É TUDO QUE A ESQUERDA DESPREZA: CAPITALISTA, CONSERVADOR E PATRIÓTICO


segunda-feira, 20 de novembro de 2017

Espanha: grita "Allahu Akbar" e é alvejado pela Polícia


"Os oficiais da Guarda Civil pediram reforços da Polícia regional Mossos d'Esquadra depois de ele ter começado a gritar em Árabe, as palavras" Alá é Maior", antes de voltar ao veículo".

Allahu akbar não significa "Alá é óptimo". Significa "Alá é Maior" - maior que o teu Deus. Esta Polícia não deve ter sido sujeita às recentes lavagens de cerebrais na
CNN, MSNBC, New York Times  ou New York Daily News, que decretaram que "Allahu akbar" é uma "bela frase", como parte da sua guerra viciosa contra a verdade, após o assassinato jihadista em massa no Halloween em Nova Iorque.
O "rebranding" arrepiante dos media do grito de guerra assassino é um novo ponto baixo, mesmo para os padrões deles. 
Esta história mostra o que é a realidade. A Polícia espanhola não poderia arriscar a vida do seu povo pensando: "Oh, 'Allahu akbar', essa é uma frase bonita que não tem nada a ver com o terrorismo". Eles sabiam que esse muçulmano iria matar quando ouviram o grito de guerra de Maomé. Então, agiram. Bravo.
Pamela Geller


"Alerta de terrorismo: a Polícia espanhola alvejou um homem que gritava 'Allahu Akbar' perto da fronteira francesa"
Gerard Couzens, Express, 18 de Novembro de 2017:

  
A Polícia disparou contra um homem que provocou um alerta de terrorismo perto da fronteira da Espanha com a França, gritando 'Alá é Maior!' num ponto de controle.

    
Os agentes abriram fogo contra o homem, um francês de origem norte-africana, depois de ele ter começado a gritar em Árabe quando o veículo em que viajava foi mandado parar numa estrada perto de La Jonquera, no lado espanhol da fronteira.

    
Ele foi atingido na perna e levado para um hospital próximo.

   
Foi submetido a uma cirurgia no Hospital Universitário Doctor Josep Trueta em Girona - e a sua vida não está em perigo.

    
Relatórios locais disseram que os agentes pediram que ele saísse do carro e ficaram de sobreaviso depois de verem que ele tinha um "objecto suspeito" à cintura.

    
Os oficiais da Guarda Civil pediram reforços da Polícia regional, os Mossos d'Esquadra, depois de ele ter começado a gritar em Árabe as palavras 'Alá é o Maior!', antes de voltar para o veículo.

    
Ele foi baleado duas vezes e caiu no chão depois de deixar o carro - que foi cercado por agentes - cerca de 30 minutos depois, com um objecto não identificado na mão.

   
Foi preso depois de conseguir retornar ao veículo pela segunda vez e atirar a roupa pela janela.

    
Uma investigação sobre o incidente, que aconteceu logo após a meia-noite, está em andamento.

    
Fontes próximas ao inquérito disseram que não estavam a examinar o caso como um incidente de terror e acreditam que o homem não identificado pode ter agido sob a influência de drogas.

 ----------------------------------

COMENTÁRIO
1. Se tivesse sido em Israel, a ONU já estava reunida de emergência para emitir mais uma condenação contra o "genocídio e brutalidade" israelita. Assim, só os hippies e os jihadistas do SOS Racismo lá do sítio é que vão estrebuchar, pois é para isso que são pagos. Aproveitamos para saudar estes agentes que salvaram vidas, e a todas as forças policiais.


Se "a Europa é uma prisão a céu aberto", porque raio vêm eles para cá?

2. Luigi Brugnaro, presidente da câmara de Veneza, deu ordens à Polícia para abater qualquer pessoa que grite "Allahu Akbar". Durante o discurso em que Luigi anunciou esta medida, o esquerdista Dario Nardella, presidente da câmara de Florença, correu para ele a gritar "Allahu Akbar!" (o romance entre a esquerda e o jihadismo é inabalável). Dias depois, foi o Massacre de Barcelona.


3. Ninguém fica em pânico quando alguém grita "Cristo Salva", "Hare-Krishna", "Shalom""Om Mani Padme Om", etc.. Porque será?
(Re)leia:

Síndrome de Jihad Súbita





Yehuda Devir e a sua Musa



Yehuda e a sua esposa Maya.

A arreliadora circunstância de estar em curso uma jihad global, e o ressurgimento do anti-semitismo mais selvagem, moldaram este blogue (já perto do fim das suas postagens regulares, aliás) um bocadinho no sentido do "curto e grosso". Mas qualquer dia estaremos de volta com um blogue sobre coisas agradáveis e bonitas de Israel, um dos países de que mais gostamos. Ainda assim, não resistimos a partilhar convosco o trabalho de Yehuda Devir, um artista gráfico israelita e judeu, que muito apreciamos.


Yehuda Adi Devir é ilustrador e designer gráfico, formado em Comunicação Visual pela Academia de Arte e Design Bezalel, de Jerusalém.
Vive em Tel Aviv com a sua esposa Maya, que também é ilustradora e artista gráfica. No seu blogue descreve a vida em comum do casal em ilustrações cómicas.
Yehuda dedica-se principalmente à Ilustração (posters, banda desenhada, ilustrações para revistas, design de personagens, ilustração para vestuário, ilustração de livros, logótipos e outros trabalhos por contrato).
Gostamos especialmente do blogue:










Também gostamos bastante das ilustrações de celebridades, onde ele retrata pessoas reais com personagens de ficção (em baixo, Usain Bolt e Flash, Muhammad Ali e Rocky):



Um uso inesperado e comovente de personagens de ficção é este, em que Yehuda convocou os super-heróis de Hollywood para ajudarem as vítimas do Holocausto:
É interessante assinalar que muitos super-heróis foram criados por artistas gráficos judeus, muitos deles fugidos à perseguição nazi, ou descendentes dos que fugiram. Felizmente nos dias de hoje Israel adquiriu super-poderes, à custa de muito trabalho...

domingo, 19 de novembro de 2017

ISIS mostra Papa decapitado, quer "sangue de cristãos" e ameaça Vaticano


"Sangue cristão" - é uma tradição islâmica. Respeitem, seus islamofóbicos!

Dias depois de apelar a ataques automóveis contra o Vaticano, os media do Estado Islâmico (ISIS) publicaram um cartaz ameaçando os "Adoradores [Sic] da Cruz" e mostrando o Papa Francisco I decapitado. (SITE Intel)


O Papa Francisco é o Papa mais pró-islâmico e pró-submissão da História moderna. Mais uma prova de que a submissão e a acomodação ao islamismo é percebida como fraqueza e dá lugar a mais demandas, mais conquistas, e mais ataques pela causa do Islão.
 Pamela Geller

 ---------------------------

ISIS promete "sangue cristão" enquanto antevê ataque ao Vaticano
Bridget Johnson, PJM,  14 de Novembro de 2017
 (Vídeo ISIS)
Os media pró-ISIS fizeram hoje circular um cartaz que mostra um veículo que avança sobre o Vaticano carregado de armas, prometendo "sangue de cristãos".

"Por isso esperem..." são outras palavras escritas na imagem da Wafa 'Media Foundation.

A ilustração mostra o ponto de vista de um motorista cujo BMW se aproxima da Basílica de São Pedro, circulando de noite pela Via della Conciliazione. No banco do passageiro: uma espingarda, uma pistola e uma mochila. No espelho retrovisor, um rosto coberto.

Os seguidores do ISIS têm favorecido os ataques durante os feriados religiosos, como foi o caso do ataque de 2015 contra uma festa de Natal no Condado de San Bernardino por Syed Rizwan Farook e Tashfeen Malik, bem como o ataque de camião cometido por Anis Amri contra um mercado de Natal em Berlim.


A Wafa 'Media Foundation, na semana passada, lançou um cartaz intitulado "O Espectro do Terrorismo", afirmando em Inglês: "Vocês pagarão um preço muito caro pela vossa guerra contra o Islão". A mensagem acrescentou: "Vamos vingar-nos do sangue dos muçulmanos na vossa terra, vamos matar os jovens antes de os mais velhos darem por isso"
ISIS aos Jihadistas: "Não se exibam nem procurem a fama,  atinjam-nos violentamente escapem"

Os cartazes da Wafa são distribuídos em grande parte no Telegram. Um lançamento recente foi intitulado "Manhattan" e tinha com um pano de fundo edifícios em chamas e uma carrinha - significativamente maior do que a que o terrorista Sayfullo Saipov alugou na Home Depot - e mostrava um jihadista armado, de pé, a observar a cena.
Enquanto esse jihadista tinha uma espingarda, Saipov brandiu uma arma de paintball e uma arma de chumbos - e tinha uma arma de choques na carrinha - antes de ser baleado no abdómen por uma bala real de um agente da Polícia de Nova Iorque.

----------------------

 Criámos uma pequena secção sobre o

Veja também a nossa secção Papa Francisco.

A quem queira estar diariamente informado sobre a jihad global, sugerimos a visita regular ao site Geller Report, de Pamela Geller. Quem tiver dificuldades no Inglês, basta usar a função de tradução automática.


https://pamelageller.com/

 ..................

CURIOSAS COINCIDÊNCIAS QUE VALERIA A PENA ANALISAR, SE NÃO ESTIVÉSSEMOS, TODOS OS NÃO MUÇULMANOS, SOB PERMANENTE SUSPEITA DE "ISLAMOFOBIA":
Os terroristas dos ataques ao Bataclan, Stade de France e outros: eram muçulmanos
Os terroristas do ataque ao Charlie Hebdo e ao Hypercasher em Paris: eram muçulmanos
O bombista no autocarro em Tel Aviv: era muçulmano
O terrorista do sapato: era muçulmano
Os decapitadores dos dois reféns japoneses: eram muçulmanos
As atiradores do café na Austrália: eram muçulmanos
O atirador de Fort Hood: era muçulmano
O bombista da cueca: era muçulmano
Os decapitadores do soldado Lee Rigby, em Londres: eram muçulmanos.
Os bombistas dos comboios de Madrid: eram muçulmanos
Os bombistas do metro de Londres: eram muçulmanos

Os bombistas discoteca em Bali: eram muçulmanos 
Os atacantes do Teatro em Moscovo: eram muçulmanos
Os bombistas do voo 93 da Pan-Am: eram muçulmanos
Os sequestradores do avião da Air-France: eram muçulmanos
Os atacantes da Embaixada dos Estados Unidos em Beirute: eram muçulmanos
Os atacantes da Embaixada dos Estados Unidos na Líbia: eram muçulmanos
Os bombistas suicidas de Buenos Aires: eram muçulmanos
Os assassinos dos atletas olímpicos israelitas em Munique: eram muçulmanos
Os atacantes da Embaixada dos Estados Unidos no Quénia: eram muçulmanos
Os atacantes das Torres Khobar, na Arábia Saudita: eram muçulmanos 
Os terroristas da escola russa de Beslan: eram muçulmanos
Os terroristas do World Trade Center: eram muçulmanos
Os terroristas de Bombaim e Mumbai, na Índia: eram muçulmanos
Os sequestradores do navio Achille Lauro: eram muçulmanos
Os terroristas do 11 de Setembro de 2001: eram muçulmanos
Os atacantes do centro comercial no Quénia: eram muçulmanos.
Os assassinos que massacram ou massacraram povoações inteiras de "infiéis" nas Filipinas, Quénia, Sudão, Timor-Leste, Síria, Iraque, Egipto, Líbia, etc., etc.: são muçulmanos
E muito, muito mais...
"Em breve seremos a maioria!" - garante esta muçulmana enraivecida. Aqui é em New Jersey, Estados Unidos, mas é assim em todo o Mundo.

COMO É O CONVÍVIO ENTRE RELIGIÕES NÃO ISLÂMICAS:
Budistas que vivem com Hindus = sem problemas
Hindus que vivem com os cristãos = sem problemas
Hindus que vivem com judeus = sem problemas
Cristãos que vivem com xintoístas = sem problemas
Xintoístas que vivem com confucionistas = sem problemas
Confucionistas que vivem com Baha'is = sem problemas
Bahá'ís que vivem com judeus = sem problemas
Judeus que vivem com ateus = sem problemas
Ateus que vivem com budistas = sem problemas
Budistas que vivem com Sikhs = sem problemas
Sikhs vivem com Hindus = sem problemas
Hindus que vivem com Baha'is = sem problemas
Bahá'ís que vivem com cristãos = sem problemas
Cristãos que vivem com judeus = sem problemas
Judeus que vivem com budistas = sem problemas
Budistas que vivem com xintoístas = sem problemas
Xintoístas que vivem com ateus = sem problemas
Ateus que vivem com confucionistas = sem problemas
Confucionistas que vivem com Hindus = sem problemas
Já percebeu a ideia...
"A Sharia só pode ser estabelecida com armas" - informa o terrorista islâmico. Na Austrália têm-se sucedido as manifestações públicas de raiva e as desordens, porque as autoridades já começaram a prevenir o terrorismo islâmico.

COMO É O CONVÍVIO QUANDO HÁ MUÇULMANOS EM CENA:
Muçulmanos que vivem com Hindus = Problema
Muçulmanos que vivem com budistas = Problema
Muçulmanos que vivem com cristãos = Problema
Muçulmanos que vivem com judeus = Problema
Muçulmanos que vivem com Sikhs = Problema
Muçulmanos que vivem com Baha'is = Problema
Muçulmanos que vivem com xintoístas = Problema
Muçulmanos que vivem com ateus = Problema
Muçulmanos que vivem com os muçulmanos = GRANDE PROBLEMA
Poderíamos ilustrar com séculos de História e milhares de exemplos de intolerância total dos muçulmanos, contra os infiéis e entre eles.

Mais 30 cristãos executados por não quererem pagar a jyziia, o imposto exigido aos "infiéis" para financiamento da "guerra santa" aos "infiéis".

ONDE É QUE OS MUÇULMANOS NÃO ESTÃO FELIZES
Eles não estão felizes em Gaza
Eles não estão felizes no Egipto
Eles não estão felizes na Líbia
Eles não estão felizes em Marrocos
Eles não estão felizes no Irão
Eles não estão felizes no Iraque
Eles não estão felizes no Iémen
Eles não estão felizes no Afeganistão
Eles não estão felizes no Paquistão
Eles não estão felizes na Síria
Eles não estão felizes no Líbano
Eles não estão felizes na Nigéria
Eles não estão felizes no Quénia
Eles não estão felizes no Sudão
Eles não estão felizes em NENHUM país muçulmano


A famosa Amira Abase, uma jovem muçulmana privilegiada, imigrante em Inglaterra, ficou famosa por ser uma "noiva jihadista" (uma daquelas raparigas que fogem para o Califado para casarem com terroristas) e por causa das suas reacções de júbilo aquando do massacre na estância balnear na Tunísia

ENTÃO, ONDE É QUE OS MUÇULMANOS ESTÃO FELIZES?
Eles estão felizes na Austrália
Eles estão felizes em Inglaterra
Eles estão felizes na Bélgica
Eles estão felizes em França
Eles estão felizes em Itália
Eles estão felizes na Alemanha
Eles estão felizes na Suécia
Eles estão felizes nos EUA e no Canadá
Eles estão felizes na Noruega e na Índia
Eles estão felizes em quase todos os países que não sejam islâmicos!
Manifestações  islâmicas com as proverbiais promessas de decapitação. Eternamente indignados com a nossa liberdade, com a nossa democracia, com a nossa religião, com a nossa alimentação, com o nosso vestuário, eles não vão embora!

E QUEM É QUE OS MUÇULMANOS CULPAM QUANDO NÃO ESTÃO FELIZES?
E quem é que eles culpam, por serem infelizes nos seus países? Não o Islão! Não as suas lideranças! Não a eles mesmos! Eles culpam os países onde são felizes!!! E eles querem mudar os países em que são felizes, para que se tornem como os países de onde vieram porque lá não eram felizes!

GRUPOS TERRORISTAS EM NOME DA RELIGIÃO:
JIHAD ISLÂMICA: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA 
ISIS: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA  
AL-QAEDA: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA 
TALIBAN: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA 
HAMAS: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA  
HEZBOLLAH: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA  
BOKO HARAM: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
AL-NUSRA: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
ABU SAYYAF: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
AL-BADR: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
IRMANDADE MUÇULMANA: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
LASHKAR-E-TAIBA: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
FRENTE PELA LIBERTAÇÃO DA PALESTINA: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA  
ANSARU: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
JEMAAH ISLAMIYAH: ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
ABDULLAH AZZAM BRIGADES: UMA ORGANIZAÇÃO TERRORISTA ISLÂMICA
ETC., ETC., ETC., ETC., ETC.. NÃO HÁ NENHUM GRUPO TERRORISTA RELIGIOSO DE OUTRA RELIGIÃO. NO ISLÃO HÁ CENTENAS.

Como pode haver quem continue a acreditar no que os media são pagos para papaguear: que o Islão é perfeito, e que os terroristas é que o compreendem mal? Porque é que a quase totalidade do terrorismo global é cometido em nome do Islão?